Meninas trocam sexo por pescado e dinheiro

Por Diana Wanyonyi, da IPS – 

Kwale, Quênia, 30/11/2016 – Hafsa Juma é uma das muitas adolescentes que vendem seus corpos por um pouco de pescado e algumas moedas na praia de Gasi, às margens do Oceano Índico, no Quênia. Com 15 anos, ela é a mais velha de três irmãos e quem sustenta a família. Vestida com o tradicional dera, vestido na língua swahili, e um lenço no cabelo, está sentada do lado de fora da casa onde vive no condado de Kwale, sobre um tapete e debaixo de um sol abrasador.

Há mais de uma semana que tem febre e dor de cabeça e espera que o sol alivie os arrepios, já que seus pais estão desempregados e são muito pobres para poderem pagar um médico. Juma contou como eles, especialmente sua mãe, a obrigam a conseguir alimentos oferecendo favores sexuais aos pescadores.

“Meus pais não estão bem e por isso não tem comida em casa, e eu tenho que buscar algo pequeno para levar. Por isso saio às oito da noite e volto à meia-noite. Tenho um cliente por noite. Quando aceita minhas condições, me paga com 200 chelines (cerca de US$ 2) e meio quilo de pescado”, contou, evitando o contato visual, essa jovem que terminou apenas a escola primária, em 2014.

“Em geral vou à praia de Gasi quase todos os dias”, afirmou Juma, que contou ter começado com o trabalho sexual há dois anos “Em um mês, se trabalho bem, consigo cinco mil chelines quenianos (aproximadamente US$ 50), e não tenho problemas com isso”, afirmou. Sua conversa com a IPS foi interrompida pela chegada de um barco verde, com os pescadores que trazem a captura da noite, e mulheres, homens e crianças se aproximam com cestas para comprar peixe fresco.

A maioria dos clientes de Juma é de pescadores da vizinha Tanzânia, que chegam a Gasi uma vez por ano durante a temporada das monções e ficam por três meses, de dezembro a março, para pescar e vender o que capturam. Quando vão embora, seus clientes mudam e costumam ser motociclistas que transportam passageiros, aqui conhecidos como bodaboda.

“Quando quero me afastar de casa e ir para qualquer lugar, subo em uma motocicleta. Quando estou para chegar ao meu destino, o motociclista concorda em trocar sexo por dinheiro. Me dá 100 chelines, e faço o mesmo com diferentes bodaboda para regressar”, contou Juma.

A esse respeito, o vice-presidente da Unidade de Administração da Praia Gasi, Iddi Abdulrahman Juma, disse que vê “cerca de dez meninas que vêm à praia comprar pescado, o que também é perigoso. Algumas delas já estão grávidas e outras infectadas com doenças mortais”. Ele também responsabilizou os pais por encarregá-las dessa tarefa e colocar as meninas em situações de vulnerabilidade.

“A idade das meninas envolvidas na exploração sexual comercial é de 12 a 17 anos”, acrescentou o funcionário, que realiza uma capacitação com a organização não governamental Scope (Fortalecendo o Empoderamento e a Associação Comunitária), voltada à luta contra esse problema social.

Na praia de Gasi, às margens do Oceano Índico, no Quênia, as pessoas esperam a chegada dos pescadores para comprar peixe fresco. Foto: Diana Wanyonyi/IPS

Na praia de Gasi, às margens do Oceano Índico, no Quênia, as pessoas esperam a chegada dos pescadores para comprar peixe fresco. Foto: Diana Wanyonyi/IPS

 

A 20 quilômetros dali, na zona de Karanja, também no condado de Kwale, Asumpta Pendo, de 14 anos, varre uma choça, que é um mangwe, segundo contou, um lugar onde se vende um tradicional vinho de palma conhecido como mnazi. Ela também é trabalhadora sexual para levar comida à mesa da família e deve suportar clientes que frequentemente estão bêbados. Sua mãe também a obriga a vender mnazi.

“Parei de estudar no sétimo ano, porque minha mãe não podia me mandar à escola e éramos pobres. A vida é dura. A maioria dos meus clientes é de tomadores de vinho de palma. Em um dia, costumo ter um ou dois. Alguns preferem usar camisinha, mas outros se negam. Costumam me dar entre US$ 1 e US$ 12 pela noite”, explicou a jovem. “Se não quero vender mnazi aos clientes aqui em casa, minha mãe me bate e até se nega a me dar comida. Por mais que não goste do que faço, tenho que fazer porque precisamos sobreviver”, contou, resignada.

Um estudo realizado em 2009 pela rede End Child Prostitution (Acabar com a Prostituição Infantil), que reúne várias organizações da sociedade civil, concluiu que entre 10 mil e 15 mil meninas das zonas costeiras do Quênia participavam do turismo sexual. Além disso, a Scope se associou à organização holandesa Terre des Hommes (TDH) para implantar um programa que acabe com a exploração sexual infantil em três áreas: Matunga, Msambweni e Lunga Lunga. A iniciativa contempla conscientizar a comunidade e chamar a população local para erguer suas vozes contra esse abuso.

O problema é grave nesse condado, popular por suas praias limpas e arenosas, pontuou Emanuel Kahaso, coordenador do programa da Scope para acabar com o comércio sexual. “Em 2006, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), havia 50 mil menores vítimas de exploração sexual e 30 mil que vendiam seus corpos nas zonas costeiras”, detalhou.

“Nossa organização encontrou mais de 15 mil meninas que participam do turismo sexual na faixa costeira do sul do Quênia”, observou o coordenador. E explicou que, “devido às tradições e aos tabus, os pais não falam abertamente com seus filhos sobre saúde reprodutiva e, por esses mesmos tabus, os responsáveis não são presos”.

Alguns lugares especiais, onde são consumidas drogas, clubes noturnos e discotecas, bem como os bodaboda, atraem as menores para o trabalho sexual. Numerosas fontes coincidem em afirmar que os pais iniciam suas filhas no turismo sexual e na prostituição, além de obrigá-las a se casar precocemente.

“O problema se exacerba por questões culturais, tradicionais e tribais impregnadas de preconceitos de gênero, que favorecem a exploração sexual de menores. O analfabetismo é alto, são muitos os problemas econômicos e raramente são cumpridas as leis que protegem a infância”, lamentou Kahaso.

No hospital de referência de Msambweni, Saumu Ramwendo, da Scope, ajuda e informar as meninas e as adolescentes sobre questões de saúde sexual e exploração sexual. A organização trabalha com cerca de 360 vítimas e com outras 500 que estão em risco. Envolverde/IPS

O post Meninas trocam sexo por pescado e dinheiro apareceu primeiro em Envolverde.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *