Apoio vital para ruandeses órfãos e com aids

Kigali, Ruanda, 10/11/2010 – Em uma sala lotada de gente do Hospital Kibagabaga, na capital de Ruanda, 30 jovens entre 12 e 18 anos esperam sua vez de receber uma receita de medicamentos antirretrovirais.

Apoio vital para ruandeses órfãos e com aids

Ruanda procura aumentar seu apoio a crianças com HIV, como estes órfãos na aldeia de Muhanga. - Aimable Twahirwa/IPS

Estão entre as 220 mil crianças infectadas com aids beneficiadas por um programa governamental. “Às vezes, não podem nem mesmo ir ao médico e explicar o que sofrem, porque é provável que tenham medo e alguns se sintam culpados”, contou Antoinette Murebwayire, uma enfermeira do hospital. “A maioria é órfã do HIV (vírus da deficiência imunológica humana, causador da aids)”, isto é, perderam seus pais para a doença. “Agora somos seus pais”, disse.

Tunga (nome fictício) é um adolescente de 13 anos de Samuduha, um dos bairros mais pobres de Kigali. Seus pais morreram em 2008 por causa da aids, quando ele ainda estava no curso primário. Não tinha ideia de que também estava infectado pelo HIV. Sua principal preocupação era cuidar dos dois irmãos menores. O centro pediátrico do Hospital Kobagabaga recebe cerca de 40 pacientes diariamente para exames de HIV, assessoria e terapia. Recebem tratamento 870 crianças e 55 delas tomam antirretrovirais.

“Porém, para a maioria delas é difícil assimilar as drogas, já que pertencem a famílias vulneráveis e sofrem fome”, explicou Antoinette à IPS. A enfermeira oferece assessoria voluntária e realiza exames em órfãos da aids. Tunga não teve problemas em fazer o exame de HIV. “Foi muito fácil para mim, mas quando disseram que era positivo… Foi outra história. Senti que estava sendo castigado por algo”, afirmou.

Porém, Tunga tem a sorte de contar com apoio de diversas fontes. Ele e seus dois irmãos vivem em uma casa construída especialmente para eles por uma organização não governamental local em 2009, depois que ficaram órfãos. Também recebem ajuda por meio do chamado Pacote Familiar, uma ajuda social e médica que o governo aprovou para pessoas com HIV/aids. O programa, apoiado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), oferece tratamento e aconselhamento a famílias afetadas pela doença, proporciona apoio nutricional às crianças e cria projetos geradores de renda. Aos órfãos pagam as matrículas na escola, fornecem uniformes e entregam uma cesta mensal de alimentos.

“Quando meus pais morreram, perdi toda esperança de viver. Mas quando chegou o apoio, me acertei para educar meus irmãos mais novos e não tivemos que abandonar a escola”, contou Tunga. A campanha das autoridades sanitárias ruandesas pelas necessidades básicas das crianças com aids é de vital importância, mas é preciso muito mais. Um ativista com uma ONG em Kigali disse à IPS que muitas crianças nas áreas mais pobres não sabiam que existiam cuidados gratuitos disponíveis. As crianças órfãs e com HIV também carecem, muitas vezes, de apoio emocional, estão isoladas da comunidade e sofrem estigma social. Envolverde/IPS

Aimable Twahirwa

Aimable Twahirwa is a senior reporter and science journalist based in Kigali, Rwanda with 10 years of experience. Aimable holds a bachelor's degree in computer science studies with a diploma is science journalism.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *