Aposta nas TIC para salvar a banana em Ruanda

Por Aimable Twahirwa –  KIGALI, Ruanda, 28 de setembro de 2018 (IPS) – Quando Telesphore Ruzigamanzi, um pequeno agricultor de bananas de uma remota vila no leste de Ruanda, descobriu um tom amarelado peculiar em sua plantação, ele não deu a importância que merecia. “Eu pensei que era o clima excepcionalmente seco que estava causando danos”, contou à IPS Ruzigamanzi, que mora em Rwimishinya, uma remota aldeia no distrito de Kayonza, no leste de Ruanda. Mas, na verdade, era uma doença bacteriana. O cultivo de Ruzigamanzi foi infectado pela Banana Xanthomonas Wilt (BXW), uma doença bacteriana que afeta todos os tipos de banana e é conhecida localmente como Kirabiranya. Aqui neste país da África Oriental, a BXW é muito prejudicial e tem consequências de longo alcance não só para os agricultores, mas também para a segurança alimentar e nutricional das suas famílias e daqueles que dependem dessa fruta como fonte de alimento. A banana é um cultivo importante na África Oriental e Central, com vários países da região entre os dez maiores produtores mundiais, de acordo com o Banco de Dados Estatísticos da Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura. A banana representa cerca de 50% da dieta de um terço dos lares em Ruanda, segundo um estudo realizado neste país, na Tanzânia e em Burundi. Mas o que mais prejudica a produção de banana nesses países, segundo a pesquisa, é a BXW. Os investigadores indicaram que a BXW pode causar a perda de 100% das bananeiras, se não for controlada adequadamente. Complacência e falta de informação contribuem para a disseminação da doença A doença BXW não é nova no país. Foi relatada pela primeira vez em 2002 e, desde então, as autoridades e organizações não governamentais realizam numerosas e rigorosas campanhas educativas para gerar consciência sobre suas nefastas consequências. Os agricultores da região de Ruzigamanzi foram capacitados por uma equipe de pesquisadores da Junta de Agricultura de Ruanda e por agrônomos locais. Mas ele, pai de seis filhos, foi um dos que perderam a campanha de conscientização e, portanto, a informação necessária para diagnosticar a enfermidade. Se soubesse qual era a doença, Ruzigamanzi teria cortado as plantas afetadas no nível do solo imediatamente após a primeira observação dos sintomas. Se o tempo passa e a infecção não é controlada, é preciso remover toda a planta com a raiz. E foi o que ele acabou fazendo duas semanas depois, quando um agrônomo local visitou-o e viu o estado de sua plantação. A essa altura já era tarde demais para salvar o cultivo e Ruzigamanzi teve que arrancar todas as plantas, incluindo o rizoma, as raízes, as plantas-mãe e suas filhas. A história de Ruzigamanzi não é única. De fato, um grande número de pequenos agricultores em regiões rurais remotas ignora ou desconhece os sintomas dessa infecção bacteriana da banana. Isso aumentou o risco de disseminação da doença para novas regiões e de ressurgimento em áreas onde antes estava sob controle. Nos últimos anos, vários distritos no leste de […]

O post Aposta nas TIC para salvar a banana em Ruanda apareceu primeiro em Envolverde – Revista Digital.

Continue Reading

Vinte anos após o genocídio, Ruanda impulsiona economia com reconciliação

  Kigali, Ruanda, 31/3/2014 – Há quase 20 anos, o hutu Sylidio Gashirabake participou do genocídio de Ruanda. E há também quase duas décadas seu vizinho, o tutsi Augustin Kabogo, perdeu a irmã e outros familiares naquela violência sectária. Mas agora ambos trabalham lado a lado em um empreendimento, no distrito de Kirehe. Estima-se que […] Continue Reading

Nova vacina contra a tuberculose em pauta

Kigali, Ruanda, 11/10/2010 – Na busca por uma nova vacina contra a tuberculose, “esperamos que a proteção seja duradoura, mas, até realizarmos os testes, registrarmos o produto e este ser usado por uma quantidade considerável de pessoas, não saberemos”, disse à IPS o pesquisador Anthony Hawkridge. Apesar da existência de uma vacina, em 2008 morreram 1,2 milhão de pessoas vítimas de tuberculose no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. A maioria vivia na África e no sudeste asiático. Continue Reading

Capacitação de parteiras para reduzir mortalidade materna

Kigali, Ruanda, 04/10/2010 – Ruanda conseguiu diminuir a mortalidade materna graças a um programa de capacitação de parteiras tradicionais, informou o Ministério da Saúde. Neste país, quase metade das mulheres dá à luz em casa. A maioria com ajuda de parteiras sem formação profissional, que recorrem a conhecimentos aprendidos com as mulheres mais velhas da comunidade. Muitas delas usam equipamentos sem esterilização, o que pode causar mais mal do que bem. Continue Reading

Direitos Humanos-Ruanda: Sem pena de morte, à busca de genocidas

Kigali, 10/08/2007 – O governo de Ruanda, incentivado pela aprovação internacional diante de sua recente decisão de abolir a pena de morte, buscará ativamente a extradição de suspeitos do genocídio de 1994, que estão escondidos no exterior para fugir da ação da justiça. “Já assinamos acordos de extradição com muitos países da África, América do Norte e Europa. Continue Reading